arquivo

Arquivo mensal: julho 2010

Desde 1985, eventualmente, as músicas de um disco de capa verde e letras douradas acabam voltando a rolar na velha vitrola, em cd players e agora em MP3. Era o debut album do Fellini, banda paulistana, que naquela época, já nascia dizendo adeus. O Adeus de Fellini foi lançado pela gravadora Baratos Afins e teve boa circulação pela cabeça da rockerada, influenciou por exemplo um certo Chico Science, que em algum momento o citou como disco inspirador, não é pouco.

E foi um bom adeus. Músicas como Rock Europeu, Outro Endereço, Outra Vida, Historia do Fogo…a primeira foi  hit em rádios rock (89 e 97 FM). O adeus do Fellini foi breve, eles viveram uma segunda vez e por fim gravaram cinco albuns, sendo o penúltimo chamado Amanhã é Tarde em 2002.

Eles insistem em não dizer adeus, e de quando em quando o núcleo formador da banda: Cadão Volpato , Jair Marcos, Thomas Pappon volta pra tocar ao vivo. Dia 29 se apresentam no Comitê Club que fica ali no baixo Augusta, 609 e no dia 12/08 no Sesc Vila Mariana para lançar o sexto registro: Você Nem Imagina.

Desta feita com a formação original, a formação do adeus, incluso Ricardo Salvagni e com o convidado especial na percussão: Clayton Martin. Apesar de que de  maneira misteriosa, as matérias que saem na imprensa insistem em afirmar Thomas e Volpato, como únicos componentes da banda. Mistérios do róqui.

Não importa, Fellini vive mais uma vez. Ja se foram vinte e cinco anos de vida sempre reafirmada. Vejam os rapazes ao vivo e protagonizem o bom rock paulista.

Um abraço para o camarada André Girardi (paleontólogo do rock paulistano) que colaborou na boa onda de trazer estas apresentações!!!

Em 1966 esse blogueiro nasceu, 01 de julho, dizem que numa madrugada garoenta típica de São Bernardo do Campo. Pouco mais de um mês após, os Beatles lançavam o album Revolver, no dia 05 de agosto. A faixa Tomorrow Never Knows fecha o disco , cheia de experimentos, efeitos, loops, bateria quebrada e mergulhada no experimentalismo psicodélico.

A viagem dessa canção prosseguiu pelo tempo, e aqui ela passa em 1976 pelo 801, projeto de Phil Manzanera e Brian Eno. Após vai a Recife com o Nação Zumbi, já sem Chico Science. Anda por New York ao vivo em 1980 com o quarteto DB’s. E por fim em 1987, no primeiro disco do trio paulistano Violeta de Outono…sem se preocupar com cronologia…

“Lay down all thoughts, surrender to the void,
It is shining, it is shining.”

De acordo com o calendário juliano, nascia no dia 07 de julho de 1893 na Geórgia, o poeta Vladimir Maiakovski. Anos mais tarde, ainda no dia 07 de julho, só que de  1940, nascia em Liverpool, Richard Starkey Jr (anos depois ficaria conhecido como Ringo Star) que substituiria Peter Best, batera de uma certa banda, e entraria para a história.

Seguimos em 07 de julho só que agora há 20 anos atrás, falecia no Rio de Janeiro, Cazuza, o emblemático letrista e  cantor do Rock Br 80. E hoje, 07 de julho de 2010, morreu no Rio de Janeiro, Ezequiel Neves, letrista, compositor, jornalista, produtor musical e o mentor do Barão Vermelho, banda onde Cazuza apareceu e registrou suas principais composiçoes.

Afinidades eletivas.

Zeca Jagger ou Zeca Rotten, foram pseudônimos utilizados por Ezequiel como jornalista e que atestam seu interesse pelos movimentos do rock e da música pop através dos tempos. Em epocas de informações escassas e distorcidas, suas matérias traziam novidades e reflexões sobre os lançamentos e novidades musicais  e os efeitos colaterais do rock and roll na vida cotidiana. Zeca escreveu bastante, burilou e viveu uma vida bem rock and roll, com excessos e abismos.

O mundo fica mais bagunçado e interessante com esses caras.

“Brilhar para sempre,
brilhar como um farol,
brilhar com brilho eterno,
gente é para brilhar,
que tudo mais vá para o inferno,
este é o meu slogan
e o do sol.”

Maiakovski


%d blogueiros gostam disto: